terça-feira, 7 de agosto de 2012

Projeto apresentado como pré - requisito para avaliação parcial na disciplina Pesquisa e Estágio em Espaços não formais, sob orientação da docente Ivania Freitas.


LER É VIAJAR PARA ALÉM DO CONHECIMENTO: A LEITURA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS DO PETI – PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL.



1.    INTRODUÇÃO

O Brasil enfrenta uma realidade econômica que não contribui para que seja extinta algumas práticas de exploração do trabalho infantil, uma vez que a pobreza e o trabalho precoce de crianças e adolescentes estão relacionados, ainda existe uma quantidade muito grande de crianças que são inseridas em atividades trabalhistas. Na maioria dos casos isto ocorre pela necessidade de ajudar financeiramente a família, já que o comum é que estas famílias sejam geralmente formadas por pessoas de origem humilde e que possuem uma quantidade grande de filhos.

Logo, a instituição escolhida para realização do Estágio em Espaços não formais foi o PETI, localizado em Senhor do Bonfim, no Bairro Bom Jardim. O programa visa prioritariamente à retirada das crianças de variadas formas de exploração do trabalho infantil, as crianças acolhidas pela instituição têm de 07 a 14 anos.

Uma vez que a pobreza e trabalho infantil estão relacionados, o PETI age nas regiões de maior vulnerabilidade social, os pais que tem seus filhos matriculados no PETI recebem um auxilio acrescentado no Programa Bolsa Família, no valor de R$ 25,00 por filho matriculado, respeitando é claro, a frequência feita pela coordenadora.

As crianças ficam na instituição durante o turno matutino ou vespertino, dependendo de qual dos turnos elas estudam. Lá elas têm o acesso ao lazer, alimentação, esporte, auxílio na convivência familiar e reforço escolar, sendo que o último não faz mais parte do planejamento de atividades programadas pelo PETI, mas, uma vez que estas crianças não conseguem esta orientação em casa, a coordenadora ver a necessidade de auxiliá-las nos seus exercícios escolares e mesmo não fazendo parte do planejamento, as crianças acabam levando os seus exercícios escolares para a instituição.

Ressaltando a importância que tem a leitura para o processo de desenvolvimento da criança, esse projeto de intervenção tem como principal objetivo trazer o acesso destas para o mundo da leitura dando-lhe novos caminhos para construção de uma infância rica em conhecimento, para que, mais tarde essas crianças se tornem adultos dotados de conhecimento.


2.    JUSTIFICATIVA

Ao começar a etapa de observação no PETI, podemos perceber que o programa acontece em uma casa, contendo um quarto onde funciona a sala de atividades, a própria sala da casa é onde os alunos ficam na maior parte do tempo e desenvolvem as atividades elaboradas pela coordenadora Ana Cristina Cajuí, através da orientação da educadora Cirlene Nunes dos Santos Coelho, uma cozinha, um banheiro e um quintal grande. Para cuidar da limpeza e alimentação existe uma ajudante de serviços gerais.

Neste espaço o que podemos perceber, foram crianças e adolescentes cheios de vontade, entusiasmo e criatividade, porém os mesmos encontram-se inseridos em um ambiente que não os permitem criar e desenvolver. Lá atualmente estão matriculados 39 alunos, mas, por conta da evasão só aproximadamente 29 frequentam, os alunos se dividem entre o turno matutino e vespertino, todos cursando o Ensino Infantil e Fundamental em escolas estaduais e municipais, na cidade de Senhor do Bonfim.

A leitura e a escrita, no contexto educacional atual, está sendo um dos desafios das escolas. Mas, enquanto estudantes de pedagogia, sabemos que a leitura quando é feita de forma criativa, possibilita prazer e conhecimento. O Projeto de Intervenção se torna viável a partir do momento que pretende incentivar essa atividade de leitura, escrita e produção através de uma forma lúdica e prazerosa.

Acreditamos que o processo de formação de leitores, possibilita a construção de um ser humano crítico e reflexivo, e ao pensar neste projeto de intervenção, percebemos que conscientizar os educandos sobre o ato e ler e escrever possibilitará não só uma transformação na realidade daquele programa, mas também na nossa carreira de estudantes/educadoras.


3.    OBJETIVOS

3.1 Objetivo geral

Estimular o prazer pela leitura e escrita das crianças e adolescentes que frequentam o PETI, através de atividades lúdicas.

3.2 Objetivos específicos

ü  Favorecer a liberdade de expressão e pensamento da criança para que as mesmas venham expor suas competências literárias construídas no processo.
ü   Proporcionar a integração, criatividade, desenvolvimento e a prática da leitura e escrita, através de atividades complementares.
ü  Desenvolver a produção textual.
ü  Integrar os alunos nas atividades, finalizando com atividades de exposição de trabalhos e obras realizadas.

4.    FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Erradicar o trabalho infantil é o principal objetivo do PETI, e nesse projeto de intervenção, é através da leitura que pretendemos ajudar nesse processo, pois, para nós, “o trabalho da criança é estudar”.
O educador sabe que não basta só educar para a realidade, é preciso motivar e surpreender. O Projeto em si visa de forma geral abranger as áreas de construção do conhecimento através da leitura/escrita e estará imerso em um clima de descoberta, aventura e desejos, para que só assim os educandos assimilem as informações extra-escolares e sedimentem um conhecimento que não será memorizado, mas se tornará inesquecível.
Quando as crianças ouvem e leêm histórias, passam a ver o mundo de forma mais clara. As histórias remetem aos problemas típicos da infância, como medos, inveja, carinho, curiosidade, dor e perda.
Para Yunes (2003, p. 37), ler significa:

 Uma descoberta, mudar de horizontes, interagir com o real, interpretá-lo, compreendê-lo e decidir sobre ele. Ler é, pois interrogar as palavras, duvidar delas; ampliá-las. Deste contato, desta troca nasce o prazer de conhecer, de imaginar, de inventar a vida. O ato de ler é um ato de sensibilidade e da inteligência, da compreensão e da comunhão com o mundo: expandimos o estar no mundo, alcançamos esferas de conhecimento antes não experimentadas e, no dizer de Aristóteles, nos comovemos e ampliamos a condição humana.

Ao ler um livro, a criança abre às portas da imaginação e traz a história para sua realidade, ela consegue diferenciar elementos presentes na história e trilhar o seu ponto de vista, de um sentido imaturo, mais, sem dúvida isso irá auxiliá-la no processo de desenvolvimento mental, emocional e social. Desta forma, o projeto de intervenção pretende trazer as crianças do PETI para o infinito mundo da leitura, para que elas se tornem adultos que tenham um direcionamento crítico diante dos variados temas sociais e para que nasça o prazer da leitura.

Despertar no educando a capacidade de sonhar e permitir uma construção, um caminho para realização dos seus sonhos é a proposta e a educação com base na leitura é o caminho. É assim que enxergamos uma educação forte e atuante, quando tem a capacidade de criar cidadãos no nosso Brasil, cheios de crianças e adolescentes sonhadores, com vontade, fome e sede de mudanças.

5.    METODOLOGIA

Logo após ser constatada a carência de livros no local (PETI), foi adotada como forma de intervenção a instalação do Espaço de Leitura, para tal confeccionamos uma caixa denominada Projeto de Leitura que foi colocada em um lugar estratégico na UNEB – Universidade do Estado da Bahia/Campus VII, para que os estudantes, professores e funcionários pudessem depositar suas doações de livros, colamos também cartazes no mural da mesma. Sendo assim, o Projeto de Leitura nasce com a arrecadação de livros infantis/infanto-juvenis e os livros arrecadados serão utilizados para a criação do espaço de leitura/biblioteca, a mesma nos possibilitará trabalhar com os alunos de forma lúdica e prazerosa.

A leitura é uma viagem para além do conhecimento, dentro do projeto de Leitura trabalharemos não só as práticas das Literaturas, mas, levaremos juntamente com os envolvidos, a produção coletiva de outros livros, confeccionados por eles mesmos.

As etapas de produção dos livros serão respeitadas, sendo assim, dividiremos a turma de acordo com o que sabe e precisa aprender.  Etapas como: redação do texto, revisão, ilustração, acabamento, mostra cultural serão respeitadas e os livros produzidos posteriormente serão adcionados à biblioteca do PETI.

As mudanças acontecem de dentro para fora, portanto, estaremos trabalhando com os sujeitos envolvidos no protejo temas reacionados a mudança de hábitos e a conscientização sobre higiene pessoal e local, para só então fazer o dia D, dia da limpeza interna do espaço e ajustes (pintura, organização e outros).

Um ambiente melhor será a discussão que vai permear também execução do projeto. A preservação da água, das espécies animais, enfim, do ambiente, serão temas trabalhados nas leituras e construções do texto.





6. REFERÊNCIAS

FREIRE, P. A importância do Ato de ler: em três artigos que se completam.
São Paulo: Cortez, 1982.

SANTOS, Carlos; (et.al). Empreendedorismo: Proposta Curricular para o Ensino Médio da Rede Pública Estadual de Sergipe. Sergipe: 2ª Ed. SEBRAE, 2006.

YUNES, Eliana; OSWALD, Maria Luiza (orgs.). A experiência da leitura. São Paulo: Loyola, 2003.


LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1995.

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI). Disponível em: http://www.mds.gov.br/assistenciasocial/peti. Acessado em 24.05.2012.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário